Trabalhar sem registro equivale a não ter trabalhado.

By // Nenhum comentário:
Trabalhar sem registro equivale a não ter trabalhado.

Muitas pessoas tem feito a seguinte pergunta aqui no blog: como faço para averbar no INSS período que trabalhei sem registro? Normalmente é tempo muito antigo, de quando eram jovens. Que responde se pode dar? Se era sem registro não haverá documentos que comprovem o vínculo empregatício. Se era sem registro não houve contribuição. Se não há documentos e nem há contribuição nada pode ser feito. Trabalhar sem registro é o mesmo que não ter trabalhado.

As pessoas na condição acima acreditam que é uma injustiça que a Previdência Social não averbe tais períodos, pois trabalharam e acreditam que isso é suficiente para somar aos demais tempos de contribuição. Imagine que a Previdência averbasse tempo em que o segurado declara que trabalhou sem registro, que não tem nenhum documento, que não tem nenhuma contribuição feita na época. Isso abriria as portas para todo mundo fazer o mesmo e todo mundo teria direito a aposentadoria.

A Previdência Social só averba tempo que fique devidamente comprovado, mesmo que não tenha havido as contribuições. Não adianta propor pagar o período não registrado, pois sem documentos o INSS não aceita recolhimento de contribuições fora de prazo. Se fosse aceito pagar contribuições fora de prazo, sem nenhuma comprovação, todo mundo podia comprar uma aposentadoria, bastava pedir o cálculo e recolher a contribuição e requerer o benefício. Os cidadão que trabalham registrados e têm as contribuições feitas durante todo o tempo seriam os grandes prejudicados.

Quem tem proposta de trabalho sem registro deve estar ciente que esse tempo não será aproveitado para nenhum fim, por isso, é melhor ganhar menos e ter o emprego devidamente registrado do que aceitar proposta de ganhar um pouco mais e não ter o tempo registrado. 

Se gostou do post subscreva nosso FEED. 
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

Onde podemos aprender a fazer perguntas?

By // Nenhum comentário:
Onde podemos aprender a fazer perguntas?

Quem quer buscar conhecimento precisa aprender a fazer perguntas, se conseguir fazer a pergunta certa ganhará tempo nessa busca. O nosso sistema de ensino não proporciona meios de aprendermos a formular perguntas. No último concurso feito para o cargo de analista do INSS as provas foram todas anuladas, pois a quantidade de questões formuladas com erro, e anuladas, não permitia que o resultado do concurso fosse divulgado. As provas tiveram que ser refeitas por todos os candidatos. Isso que as questões foram formuladas por professores de uma universidade.

Recentemente li em uma tirinha do personagem Armandinho, de Alexandre Beck, que é publicada no jornal Zero Hora, que a escola quer que os alunos respondam sobre história, geografia, ciências, matemática e português, ou seja, o ensino é direcionado de forma que o aluno consiga responder perguntas. O personagem questiona quando que irão começar a ensinar a fazer perguntas.

Onde podemos aprender a fazer perguntas?

Sócrates, filósofo Grego, costumava ensinar por meio de perguntas que levavam o aluno a obter respostas do seu próprio conhecimento. O conhecimento está a nossa volta, por não sabermos perguntar acabamos desperdiçando a oportunidade de ampliarmos nosso saber.

No blog Os benefícios da Previdência respondo perguntas dos visitantes sobre o INSS e seus benefícios e muitas vezes se torna muito difícil descobrir qual é a dúvida que precisa ser respondida. Alguns escrevem um texto que não traz nenhuma indagação, fico sem saber se há uma dúvida ou se é apenas uma manifestação a respeito do tema tratado no artigo. Há casos que a pergunta é feita, porém não é possível entender o que está sendo perguntado. Para responder é preciso fazer algumas perguntas. 

Um exemplo de pergunta de difícil interpretação: Boa noite tava encostada ia fase 2 ano em maio tenho espondilite quilosante fiz outra perícia agora to esperando uma carta. Neste caso tenho que pedir mais esclarecimentos, pois pelo que foi dito não sei o que responder.

A pergunta do título vai ficar sem resposta, pois não sei onde se aprende a perguntar e não sabendo não tenho como obter o conhecimento. Vamos ter que ler mais filosofia para tentar descobrir qual o método usado pelos filósofos para buscar conhecimento.

Se gostou do post subscreva nosso FEED. 
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

A história das balas na churrascaria.

By // 2 comentários:
A história das balas na churrascaria.

Quando meu filho era bem pequeno ia comigo, aos domingos, comprar carne na churrascaria. Depois da compra feita íamos ao caixa e, por cortesia, o atendente dava algumas balas para meu filho.

Com o tempo virou uma obrigação e meu filho já ficava com o braço erguido para pegar as balas, pois não alcançava o balcão. Sempre ganhava as balas e, por isso, sempre queria ir junto.

Quando minha filha nasceu o filho já tinha três anos e logo depois que ela aprendeu a caminhar já queria ir junto à churrascaria, pois sabia que o irmão ganhava balas e queria também.

Nas primeiras vezes que os dois foram junto o filho pegava as balas e repartia com ela. Com o tempo ela começou a tentar ganhar as dela também. Em um dia ela ergueu o braço e conseguiu que o senhor do caixa visse seus dedos. Era um senhor idoso e ao ver os dedos novos pedindo balas gritou:

- meu Deus agora são dois, vou ir à falência. E deu balas aos dois. Depois disso não teve mais jeito, a churrascaria passou a ter que comprar mais balas, pois no domingo teria que dá-las aos dois.

Muitos anos depois, já em outra cidade, continuávamos com o costume de comprar carne em churrascaria e um dia a moça do caixa não deu nenhuma bala. Minha filha falou:

- cadê as balas? A moça respondeu:

- as balas acabaram e hoje é domingo, por isso não conseguimos comprar. Minha filha replicou:

- mas o Carrefour está aberto e lá pode comprar as balas. A moça ficou sem palavras.

gostou do post subscreva nosso FEED. 
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com
Popular Posts