27 de setembro de 2014

O que ocorre quando caminhamos pelas ruas da cidade.

 
histórias, humor, palavras 
Moro em Santa Maria e por aqui não há parques onde se possa caminhar, por isso temos que andar pelas ruas. Procuro fazer meus exercícios no final da tarde e quase todos os dias. O bom de se exercitar pelas ruas é que podemos observar muitas coisas. São novas empresas que se instalam, são mudanças de trânsito e o encontro com pessoas.

A coisa mais interessante, que ocorre com quem caminha pelas ruas, é o encontro com pessoas. Encontramos conhecidos antigos e outros mais atuais. Tenho a impressão de que, atualmente, as pessoas estão caminhando mais, pois tenho encontrado caminhantes de vários segmentos sociais.

Outro fato interessante é que as pessoas andam pelas ruas, mas não prestam atenção no que ocorre em sua volta. Muitas vezes encontro colegas de trabalho que passam direto sem nem me olhar, isso que são colegas que trabalham no mesmo órgão e no mesmo prédio. Acredito que o pessoal coloca um fone de ouvido, para escutar música, e se abstém do que ocorre ao seu redor.

Eu caminho prestando atenção em tudo o que ocorre à minha volta, pois o trânsito é muito perigoso, os condutores de veículos não sinalizam nem quando vão dobrar uma esquina e assim o risco de sermos atropelados é enorme. Escolho os lados das avenidas que apresentem o menor risco, principalmente onde haja semáforos que facilitem a travessia.

E você amigo leitor tem caminhado? O que tem visto pelas ruas?

Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

…leia mais

23 de setembro de 2014

Com quem você tem andado?

 
  Histórias, Palavras.
Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly, também conhecido por Barão do Itararé, costumava modificar ditos populares como no caso da frase: diga-me com quem andas que te direi se vou junto. A frase original seria diga-me com quem andas que te direi que és.

A frase “diga-me com quem andas que te direi se vou junto” parece apenas uma brincadeira, mas se formos analisar o sentido veremos que é uma máxima que pode ser aplicada em nossa vida, principalmente no ambiente de trabalho.

Acredito que nossa vida é afetada pelas escolhas que fazemos, principalmente pelas pessoas que nos cercam, pois dependendo das influências que recebemos podemos nos tornar pessoas melhores ou piores.

Muitos jovens trilham caminhos incertos por terem, em determinado período da vida, se associados a pessoas de má índole que incitam a realização de atos ilegais ou, no mínimo, prejudiciais ao desenvolvimento sadio do corpo e da mente.


Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

…leia mais

22 de setembro de 2014

A dança das árvores e a beleza da natureza.

 
A dança das árvores e a beleza da natureza.

Em minha casa, o começo de um novo ano escolar significa sempre voltar à rotina. É a mesma rotina que acontece em todo o país: levantar as crianças da cama, certificar-se de que todos tomaram o pequeno-almoço, verificar se a filha mais nova, de cinco anos, tem os sapatos calçados, ver se o cabelo está escovado e os dentes lavados, distribuir o almoço ou o dinheiro para o pagar, pegar nas mochilas e sair apressadamente…

Raramente refletimos nas atividades do dia-a-dia. Como mãe, basta-me estar por perto, e tudo se vai fazendo. As tarefas sucedem-se na minha mente, a cada momento. À exceção de uma manhã recente.

— As árvores estão a dançar, exclamou a minha filha mais nova quando saíamos de casa.

A conversa sobre as árvores dançantes e a sua coreografia continuou durante cerca de dois minutos até que, por fim, ignorei as tarefas, desviei a minha atenção da rotina diária e reparei como o vento soprava forte naquele dia. Oh! As árvores estavam a dançar! E eu estava tão ocupada que não conseguia ver o mundo à minha volta! Comecei a prestar atenção ao movimento das folhas e à beleza das árvores a dançar, e toda a minha concentração se alterou…

Sentir a vida através dos olhos de uma criança de cinco anos trouxe de volta beleza e admiração às minhas manhãs diárias. Dou-me conta muitas vezes de que é fácil perder o sentido do milagre, do maravilhoso da Criação, que eu tinha em criança. O mesmo é verdade sobre a minha relação com o divino. Quanto mais tempo estiver absorta na rotina, tanto maior é a probabilidade de perder parte desse milagre, de esquecer a veneração, a frescura e a paixão.

Foi preciso uma criança para me lembrar de que é necessário parar e dar valor ao milagre da minha relação com a Vida!


Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Fonte: Clube das Histórias. Deborah L. Kaufman
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

…leia mais

17 de setembro de 2014

O Governador no elevador

 
 humor, histórias
Uma vez eu e mais alguns colegas viajamos, juntos, para participar de uma reunião em outra cidade. Ao chegarmos ao hotel já dava para notar alguma coisa fora do normal, pois havia duas viaturas da polícia militar e alguns policiais bem em frente a porta do hotel.

Registramos nossa chegada e começamos a nos dirigir aos quartos. Nessa hora tem sempre um colega com mais pressa e nesse dia uma colega ficou bem à frente do elevador. Quando a porta abriu já havia três pessoas dentro, deviam ter vindo da garagem. A colega, rapidamente, entrou e disse ao senhor de terno que estava no fundo do elevador: aperta o 4, pois ela estava com as mãos ocupadas para carregar as malas. A pessoa que estava no fundo do elevador era o governador do estado e os outros dois eram seus seguranças.

Enquanto a porta ainda estava aberta deu para ver que um dos seguranças apertou o 4. Como o elevador era pequeno ficamos esperando a volta e rindo da atitude da colega que não reconheceu o governador. Mais tarde, quando fomos ao restaurante, o governador estava jantando, porém ninguém pediu para ele trazer um refrigerante.


Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

…leia mais

16 de setembro de 2014

A tartaruga no poste: um novo estilo de chefia.

 

Uma tartaruga não consegue subir em um poste e se alguém a coloca em um de lá não pode sair. A tartaruga não tem nenhuma responsabilidade pelo ato de estar em cima de um poste. Tartaruga não pode gritar que quer sair e sua anatomia não permite que tente mudar a situação que se encontra. Somente quem colocou ela em cima do poste pode tirar.

Existem muitos estilos de chefia e agora descobri um novo tipo que é o que se comporta igual a tartaruga no poste. Esse estilo de chefia corresponde a alguém que não tem nenhuma habilidade para ser promovido, não tem vontade de aprender e mesmo assim é colocado em um cargo de chefia. Este tipo de chefe se mantém no cargo, mesmo sendo totalmente inoperante, pois, como a tartaruga, não tem como sair de lá sozinho e credita a responsabilidade pela sua permanência a quem lá o colocou.

O chefe tartaruga no poste sempre diz, quando é cobrado por sua inoperância, que quem o colocou no cargo pode tirar quando quiser e que ele não fará nada para se manter no cargo e nem tem forças para tentar sair. Este tipo de chefe fica no cargo bastante tempo, pois sendo totalmente inoperante não incomoda ninguém, não cobra, não orienta, não ajuda e com o tempo é totalmente esquecido, pois as pessoas aprendem uma forma de sobreviver sem necessidade de qualquer ação desse chefe. Sua permanência também é garantida por quem o promoveu, pois este queria, justamente, que nada fizesse e, com isso, não apresentasse nenhum tipo de contestação ou ideia que venha a provocar trabalho.

…leia mais

7 de setembro de 2014

8 tipos de chefes chatos e como contornar cada caso.

 
Chefes, Empregados, Histórias

O chefe é sempre chato, mas há casos em que sua chatice se destaca a ponto de todos perceberem, menos o chefe dele. Parece que quando alguém nomeia um chefe não volta atrás, pois isso iria demonstrar que não tem visão ou que pode cometer erros. Eu trabalhei por 25 anos na iniciativa privada e tive muitos chefes chatos e agora estou há 11 anos no serviço público e tenho visto muitos tipos de chefes, caso um com sua chatice. Temos que aprender a conviver com eles, pois sempre que há uma troca de chefe vem um pior ainda, então é melhor se acostumar com o que temos. A lista abaixo descreve os oitos tipos de chefes chatos e como conviver com eles.

1 – Controlador

O controlador é aquele que não delega nada nem compartilha conhecimento – por falta de confiança ou por insegurança acaba concentrando tudo em suas mãos e frustra a equipe.

Antídoto: Se mantenha informado de tudo e reporte tudo o que você está fazendo no dia a dia. Mostre o seu trabalho e ele ficará confortável e tranquilo. Se houver dúvidas, pergunte e mostre para ele o quanto confia no trabalho.

2 – Ansioso

O ansioso, por sua vez, delega, mas fica o tempo todo cobrando. A cada dez minutos pergunta se as coisas estão prontas ou se vão ficar a tempo. Ele é desconfiado e impaciente, tudo é para ontem.

Antídoto: Mantenha o chefe próximo e procure fazer com que ele decida as suas a prioridades.

3 – Militar

Inflexível, adora ditar regras e normas. Muito rígido e severo não deixa ninguém participar das decisões, apenas dispara ordens. 

Antídoto: De uma maneira bem sutil perceber se existe insatisfação, ele tem de perceber que você não concorda com atitude ou com a forma falar. Começa a opinar, tem de sentar junto e pontuar que não se sente confortável e embasar o que falar. O que mais importa é como e quando vai falar.

4 – Inconstante

O inconstante não sabe o que quer. Hoje ele pede um serviço, amanhã a prioridade é outra e depois de amanhã, quem sabe? As opiniões – e os humores – mudam com a mesma frequência.

Antídoto: O inconstante é mais difícil, porque se ele é assim no trabalho ele é assim na vida pessoal. Procure documentar pedidos e opiniões por e-mail ou por relatório. Uma vez que ele mudou de opinião, vá com bastante calma e reapresente o 'documento'.

5 – Ausente

Se você olha para cima e sabe que não tem com quem contar, saiba que tem um chefe ausente. Usualmente, ele não compra a ideia da equipe, não faz os colegas interagirem e se enche de reuniões fora para não ser achado.

Antídoto: Ele geralmente não faz questão de estar no cargo, então é preciso construir uma relação saudável e compartilhar das decisões com ele. É importante mostrar para outras pessoas que ele é o responsável pela área.

6 – Amigão

Se seu chefe é seu amigo que acaba confundindo o lado pessoal com o profissional, muito provavelmente ele é bastante emotivo nas tomadas de decisão e acaba prejudicando a equipe, mesmo conduzindo um bom ambiente de trabalho.

Antídoto: Esse amigo é tão aberto e fica tão à vontade que um café sincero resolve. Apele para o lado afetivo e emotivo, explique que discordar dele não tem nada a ver com gostar ou não da amizade, mas da condução do caso.

7 – Perseguidor

Nunca nada está bom para o perseguidor. Ele manda refazer os trabalhos, mas não dá direção. Só critica – por a mão na massa que é bom, nada. Importante para ele é fazer com que o funcionário tenha a autoestima baixa e não se sinta importante para a equipe.

Antídoto: Se você perceber que o perseguidor tem algum problema pessoal, ou o santo não bate, não tem como combater. Vai gastar energia à toa, melhor trocar de trabalho. Mas se você notar que há insegurança, que ele teme que você tome o lugar, mostre o quanto acredita na liderança dele. Ele ficará tranquilo e seguro com a sua confiança.

8 – Preguiçoso

Pouco comprometido, o desleixado até vai trabalhar, mas, no fundo, ele não está ali. Mais manda fazer do que faz, gosta do status e não chegou lá por mérito. Usa o que a equipe faz em favorecimento próprio, como se ele mesmo tivesse feito ou liderado. 

Antídoto: Documente-se sobre as responsabilidades do projeto e principalmente, é importante tentar se envolver com outras pessoas da empresa para mostrar que aquele trabalho não veio do gestor mas da participação da equipe. Só tome cuidado para não passar por cima da hierarquia.

Você que é empregado reconheceu o seu chefe na relação acima? Você que é chefe se reconheceu na relação acima?  Deixe seu comentário.

Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Fonte: Site IG 
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

…leia mais

31 de agosto de 2014

Bom humor, exercícios e sono tranquilo fazem bem ao coração.

 
Bom humor, exercícios físicos, Sono e Saúde.

Nossa saúde depende de termos bom humor, pois rir faz bem ao coração. Para ter bom humor é preciso praticar exercícios, o esforço físico libera substâncias que fazem todo o organismo funcionar melhor. Quando o organismo funciona bem o sono também melhora. A conjugação desses fatores torna a vida mais feliz e saudável.

Para ter mais saúde é preciso seguir cinco passos simples que podem ajudar a reduzir o risco de ter doenças cardíacas, afirmam os especialistas em cardiologia preventiva.

1 - Pergunte ao seu médico sobre o que é considerado normal em relação a pressão sanguínea, colesterol e triglicérides e saiba quais são os seus números nessas medidas.

2 - Comece a se exercitar. Caminhar de 20 a 30 minutos alguns dias da semana pode reduzir o risco prematuro de morte em mais de 50%. Atividade física reduz a pressão sanguínea, melhora as taxas de colesterol, diminui o estresse, melhora o sono, beneficia o humor, melhora a cognição e previne a perda de memória.

3 - Ria mais. Em termos de saúde cardiovascular, fazer isso por apenas 15 minutos equivale a praticar um exercício aeróbico por meia hora. Pesquisas também ligam o riso com a redução de dor e ansiedade, com a função saudável dos vasos sanguíneos e com o aumento dos níveis cerebrais de hormônios que melhoram o humor.

4 - Preste mais atenção na circunferência da sua cintura do que no seu peso. Ela é uma medida mais precisa do que o peso porque a quantidade de gordura em volta da cintura é um elo direto com a hipertensão e o colesterol alto, e ainda pode aumentar o seu risco de desenvolver diabetes.

5 - Durma bem e o suficiente. Falta de sono aumenta a pressão sanguínea, induz ao estresse, aumenta o apetite, desacelera o metabolismo, prejudica o humor e piora a cognição.

Se gostou do post subscreva nosso FEED. 
Fonte: Site IG
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

…leia mais

10 de agosto de 2014

O uso correto dos medicamentos e a influência à saúde.

 
Saúde, Doenças, Medicamentos

Medicamentos são produtos farmacêuticos produzidos com rigoroso controle técnico e que auxiliam na prevenção, no diagnóstico e no tratamento das doenças. Eles podem ser isentos de prescrição, tarja vermelha – vendidos sob prescrição médica com receita retida na farmácia – ou tarja preta – além da prescrição, a receita é preenchida em um formulário diferenciado e apresenta o alerta “Pode causar dependência física ou psíquica”.

Classificação
Medicamentos de referência são inovações. Após sua descoberta, a empresa registra a patente no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e garante os direitos exclusivos de produção, exploração e comercialização por um período determinado.

Passado esse tempo, os medicamentos genéricos podem ser produzidos por outras empresas. Mas antes passam por testes que comprovam sua eficácia. Eles têm na embalagem o nome do princípio ativo e uma tarja amarela com a letra G.

Medicamentos similares possuem os mesmos princípios ativos, concentração, forma farmacêutica, posologia, via de administração e indicação que os de referência. Mas, mesmo com a qualidade assegurada, não funcionam como substitutos, pois não passaram por análises que atestassem efeitos iguais aos medicamentos de referência.

Bula
Sempre leia a bula do medicamento quando tiver dúvidas. Fique atento em situações que requeiram cuidados específicos, como gravidez e amamentação. É importante verificar se o produto é de uso adulto ou pediátrico, a dosagem e contra-indicações.

Uso adequado
Os medicamentos podem trazer riscos ao paciente se consumidos de forma errada. Por isso, não consuma medicamentos vencidos e embalagens velhas, nem cápsulas abertas, amolecidas ou endurecidas. Os comprimidos não devem ter farelos na embalagem ou manchas na superfície e só devem ser partidos com recomendação médica.

Evite cremes e pomadas que apresentem mudança de consistência, bolhas, bolor ou água. Não tome soluções, xaropes e elixires com partículas sólidas no fundo do vidro ou presença de bolhas e bolor. Não use supositórios que estejam derretidos ou com rachaduras.

Medicamentos em pó ou em suspensão não podem estar empedrados e devem se misturar facilmente com agitação. Não use quando houver formação de pasta ou placas em soluções e suspensões.

Mantenha os medicamentos na caixa guardados longe da luz, umidade e calor, respeitando a temperatura de armazenamento.

Registro
Lembre-se que todo medicamento deve ter um registro do Ministério da Saúde. Caso contrário, deve ser levado ao serviço local de vigilância sanitária.

Existem farmácias notificadoras capacitadas para comunicar às autoridades sanitárias reclamações dos consumidores sobre reações adversas e queixas técnicas relacionadas a medicamentos. Veja a lista de endereços por estados.

Intoxicação
O medicamento é o principal agente tóxico no Brasil e lidera a lista das causas de intoxicação humana desde 1994, segundo o Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox).
 As classes que mais causam intoxicações são os benzodiazepínicos, antigripais, antidepressivos e antiinflamatórios e a maioria delas ocasionadas pela automedicação.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) criou o Disque-Intoxicação (0800-722-6001) para prestar informações de urgência. A ligação é gratuita. Este telefone está em rótulos e bulas dos produtos regulados pela agência e em avisos indicativos de hospitais, laboratórios e clínicas.


O texto acima pertence ao Ministério da Saúde que publica no intuito de alertar a população para o uso correto dos medicamentos. Os medicamentos devem ser prescritos pelo médico e seu consumo sem indicação pode causar intoxicação ou mascarar os sintomas da doença. 

Se gostou do post subscreva nosso FEED. 
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

…leia mais

9 de agosto de 2014

Dica de leitura: O detetive de Florianópolis.

 
Livro, Literatura, O detetive de Florianópolis

Terminei de ler o livro intitulado O detetive de Florianópolis escrito por Jair Francisco Hamms e publicado pela editoria UFSC. No livro é contada a história, na forma de crônicas, de Domingos Tertuliano Tive, morador de Florianópolis. Domingos estava desempregado, endividado e. como não sabia fazer nada, não conseguia arrumar uma ocupação. 

Domingos estava muito contrariado com a cidade de Florianópolis que não oferecia condições dos cidadãos arrumarem um emprego. Nesse instante seus botões, Domingos costumava conversar com seus botões, lhe dizem que é um malandro e malandros não arrumam empregos. Depois de muito conversa, seus botões lhe disseram que ele devia ser detetive, pois na cidade não havia nenhum e era uma profissão bastante requisitada.

Domingos aceitou a ideia e providenciou um anúncio do jornal oferecendo seus serviços, no anúncio colocou: D. T. Tive, detetive particular. A primeira ligação que recebeu foi de um amigo lhe passando um trote, mas depois foram muitas ligações e, a medida que ia resolvendo os casos foi melhorando de vida e deixando seu escritório muito bem mobiliado e respeitado na cidade.

O livro conta vários casos resolvido pelo detetive e outras histórias, todas com muito humor. O livro é ótimo e de fácil leitura.  

Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

…leia mais

13 de julho de 2014

O dia mundial do Rock

 
O dia mundial do Rock

Hoje, 13 de Julho, é comemorado o dia mundial do Rock. Sou fã de Rock e por isso vou publicar o vídeo da música "como Vovó já dizia" escrita por Raul Seixas em parceria com o escritor Paulo Coelho. O cantor Raul Seixas era considerado o Rei do rock brasileiro.


-Como vovó já dizia
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
(Mas não é bem verdade!)
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Hum!...

Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Minha vó já me dizia
Prá eu sair sem me molhar
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Mas a chuva é minha amiga
E eu não vou me resfriar
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
A serpente está na terra
O programa está no ar
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
A formiga só trabalha
Porque não sabe cantar...
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Quem não tem filé
Come pão e osso duro
Quem não tem visão
Bate a cara contra o muro
Uuuuuuuh!...

Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
É tanta coisa no menu
Que eu não sei o que comer
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
José Newton já dizia:
"Se subiu tem que descer"
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Só com a praia bem deserta
É que o sol pode nascer
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
A banana é vitamina
Que engorda e faz crescer...
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Quem não tem filé
Come pão e osso duro
Quem não tem visão
Bate a cara contra o muro...

Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Solta a serpente!
Hari Krishna!
Hari Krishna!...
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Quem não tem filé
Come pão e osso duro
Quem não tem visão
Bate a cara contra o muro
Uhuuuu!...

Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
É tanta coisa no menu
Que eu não sei o que comer
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Só com a praia bem deserta
É que o sol pode nascer...
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
José Newton já dizia:
"Se subiu tem que descer"
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
A banana é vitamina
Que engorda e faz crescer...
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Minha vó já me dizia
Prá eu sair sem me molhar
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
Mas a chuva é minha amiga
E eu não vou me resfriar...
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
A serpente tá na terra
E o programa está no ar
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro
A formiga só trabalha
Porque não sabe cantar
Quem não tem colírio
Usa óculos escuro...




…leia mais
Catarino Alves. Tecnologia do Blogger.