Nada a Comemorar

By
Neste dia, 07.04.2008, estou completando cinco anos de serviço público. Hoje deveria ser um dia de festa, mas não tenho nada a comemorar.
Trabalhei por 25 anos na iniciativa privada antes de entrar no serviço público. Não tinha nenhum conhecimento de como funcionava. Por isso trabalhei com afinco sem me preocupar com horários, levava para casa todas as leis, regulamentos, portarias e outras normas para ler e adquirir o máximo de conhecimento no menor tempo possível. Nunca recusei qualquer desafio e aproveitei todas as oportunidades de aprender.
Meu maior descontentamento é com o tratamento que é dado aos servidores na sua individualidade. Não há respeito pela pessoa que somos.
Trabalho em um órgão que tem como cliente toda a população brasileira, dos ricos até os menos favorecidos. Atendo bem a todos, procurando resolver todas as demandas no menor tempo possível e de acordo com as regras estabelecidas.
Neste tempo que estou prestando serviço observei várias coisas, temos dois servidores que necessitam de condições especiais para trabalhar. Um é cego e ingressou na mesma época que eu, só que não foi feito nada que lhe ajudasse no desempenho de suas atividades. Ele descobriu um programa de computador que daria acesso, por voz, a todos os sistemas que utilizamos. Esse programa teria que ser comprado e até hoje não foi. Este servidor trabalha dando informações aos clientes por meio do telefone e acessa os dados por meio da internet e utilizando um programa que ele mesmo instalou.
A outra servidora, que utiliza cadeira de rodas, tem por volta de dois anos de trabalho e também não teve nenhuma adaptação feita. Ela teria que ter o banheiro adaptado e outras pequenas obras e nada foi feito. Ela trabalha do jeito que for possível e tem um excelente desempenho. Ela não pode participar do curso para novos servidores, pois o local não apresentava condições de acesso para quem utiliza cadeira de rodas.
Nossos equipamentos são sempre os piores, temos poucas impressoras e que devido ao grande número de impressões vivem dando defeito. Nossos micros não têm contrato de manutenção, se estraga fica de lado. Assim nosso trabalho é penoso, no final do ano passado o aparelho de ar condicionado ficou quebrado de novembro ate fevereiro, justamente no período mais quente. Nosso ambiente de trabalho apresenta sempre mais de 50 pessoas esperando para ser atendidos, por isso dá para imaginar como é trabalhar sem ar condicionado.
Nesses cinco anos que se passou a maioria dos servidores que entraram já saíram, foram em busca de melhores salários e também melhores condições de trabalho. Qualquer órgão federal leva vantagem em todos os aspectos, por isso ninguém pensa duas vezes na hora de mudar. Mesmo assim o Governo não tem nenhuma preocupação em manter servidores neste órgão. Não temos sindicato e nenhum reconhecimento, na última revisão que fizeram em nossa carreira aumentaram os vencimentos dos servidores de nível médio de maneira que quase igualou aos de nível superior. Quando do concurso, as exigências para ingressar no nível superior eram muito maiores e os vencimentos ligeiramente melhor. Agora parece que a diferença na qualificação não é importante e não há nenhum estímulo para que se estude.
Por isso trabalho sem motivação, pois sei que não importa se nos esforcemos ou não, não há nenhum reconhecimento, não há distinção entre os que se dedicam e se esforçam. No serviço público o que importa é ter um padrinho político para ganhar cargos de confiança, o desempenho individual, o nível de conhecimento e o esforço pessoal nunca são recompensados.
Quem tiver uma visão diferente pode me escrever que publico aqui no meu blog. Quem me conhece sabe que trabalho com todo o esforço para fazer o melhor de maneira que o cliente saia satisfeito.

11 comentários:

  1. Em primeiro lugar, obrigada pela visita.
    Depois, "bem-vindo" ao funcionalismo público...No meu local de trabalho existem 5 computadores para mais de 100 professores e se estiverem todos em condições de funcionar. Não temos aquecimento nas salas durante o Inverno, nem ventoinhas no Verão, quanto mais ar condicionado, já para não falar das janelas que não se fecham e deixam a chuva entrar. O material que usamos é pago do nosso bolso. As fotocópias são limitadas e não podemos imprimir o que quer que seja sem conhecimento "dos chefes". Não temos uma sala própria para trabalhar, o que nos obriga a fazer muito do trabalho em casa.
    Enfim, podia continuar, mas não quero transformar este comentário num muro de lamentações.
    Boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Passei por aqui e deixo um abraço...peludo!!!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Olá Catarino, fiquei contente com sua visita (e seu comentário) no meu blog. E entrei no seu e ler o que vc escreve também. Esses pouco cliques foram como uma montanha russa, pois quando li a primeira frase "Estou fazendo 7 anos de trabalho..." Abri o sorriso, mas logo foi desfeito. Seviço Público realmente é um caso sério em nosso pais. Mas ao mesmo tempo fiquei contente, pois achava que isto era só aqui em Alagoas. Espero que vc encontre um emprego melhor. Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Oi Catarino, respondendo a sua pergunta. Seu blog é muito bom, não dê atenção para comentários chulos, infelizmente existem pessoas que gostam de nos ofender.Seria bom não
    exagerar na exibição de anúncios, do resto tudo é ótimo.
    Um abraço,
    Mary

    ResponderExcluir
  6. Colega Catarino, Parabéns!

    Completei quatro anos na mesma data. Qualquer coincidência não é mera semelhança. Todos Analista do Seguro Social somos solidários ao descaso por ti apontado.

    Veja só: me recordei desta data por sua causa.

    Tenha certeza que a tua participação nesta casa é vista por muitos colegas com orgulho.

    Acredito na evolução das instituições e nós somos parte do tanto que cresceu a nossa neste período em que aqui estamos.

    Chegar a excelência é a busca. Eu, você e muitos outros colegas estamos colaborando para isso.

    E as oportunidades estão ai - TCU, CGU, MPOG, RFB - somos jovens, temos uma vida pela frente e teremos muitas histórias a contar para nosos netos. Um grande abraço!

    Evaldo Luiz

    ResponderExcluir
  7. Colega,

    O que você escreve é a mais pura e cruel realidade, tenho apenas 02 anos de Previdência, e lendo seu desabafo observo que nossas condições são as mesmas.
    Com uma agravante, nós moramos numa região atípica, tudo é muito diferente, as distâncias é um entrave que nos separa do resto do país, não temos estradas, nossas estradas são os rios e cada viagem dura pelo menos de 7 a 15 dias de barco, você deve imaginar a dificuldade que temos que enfrentar.

    Clauber Lopes (Analista)
    Chefe do Serviço de Benefícios/GEXMAN

    ResponderExcluir
  8. Havia esquecido de dizer sou analista na Gerência Executiva em Manaus/AM.

    Clauber Lopes

    ResponderExcluir
  9. Parabéns, Catarino, pelo teu blog, tanto neste artigo/assunto como nos outros.
    Já votei, no Blogstars,para te condecorar com um monte de estrelas douradas.
    Um grande abraço.
    Adonai (também analista)

    ResponderExcluir
  10. Oi, Catarino

    Completei meus 5 anos no dia 22/04, mas parece que fui eu quem escreveu esse texto, tal semelhança de nossos pensamentos.

    Parabéns pelo Blog. Talvez eu faça um para mim quando me mudar para Barbacena.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Olá Catarino, boa noite

    Primeiramente quero lhe informar que já adicionei o seu blog nos meus favoritos, e aproveitando um comentário da Mary, também achei que tem muitos anúncios, dificultando um pouco a navegação. Creio que o conteúdo teu seja bom o suficiente.

    E eu já estive em funcionalismo público, consegui litaralmente sobreviver por pouco mais de 1 ano. E assim como você externei isso. Vai mais um link para vc :D

    http://mundiota.blogspot.com/2008/01/quero-que-mentalidade-publica-va-para.html

    []'s

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião, ela é muito importante para nosso trabalho.

Popular Posts