Para quem trabalha o Senado do Brasil?

By
Para quem trabalha o Senado do Brasil?

Li no jornal Zero Hora que o Senado do Brasil está analisando um projeto de lei que irá autorizar as empresas a cobrarem valores diferentes para uma mesma mercadoria, conforme a opção de pagamento. Se o consumidor for pagar com cartão de débito ou crédito terá o preço acrescido.

Os lojistas querem a aprovação desse projeto para repassar as taxas de administração que lhe são cobradas pelas empresas de cartão de crédito.

Toda a facilidade que o uso do cartão proporciona a todos os envolvidos será prejudicada por essa lei absurda.

Parece que para os legisladores o mais importante é agradar o comércio sem contrariar as administradoras de cartões. Quem perde é o consumidor que não tem ninguém para lhe defender. Dizem que os políticos são eleitos para representar todo o povo, mas o que se vê é a defesa dos que estão do lado mais forte.

Os ladrões também vão gostar dessa lei, pois haverá mais gente na rua com somas em dinheiro. Quando vamos a uma loja comprar um bem de valor nem pensamos em levar dinheiro, mas com essa lei teremos que negociar o preço e ir ao banco pegar dinheiro para garantir o desconto ou pagar o valor acrescido para usufruir das facilidades do cartão de crédito.

As administradoras deveriam se preocupar com isso, pois não iremos mais precisar de cartão e poderá haver uma queda na venda e na manutenção dos cartões. Essas empresas cobram taxa dos lojistas e dos consumidores também, pois a maioria dos cartões tem anuidade.

Mas o Senado quer livrar as lojas do seu custo e transferir para o consumidor.

Os bancos cobram tarifa até por saque, e se começarmos a fazer vários saques por mês teremos que pagar por excesso de uso.

Comprar será um ato muito complicado, pois temos que ver qual a forma mais vantajosa. Hoje sem essa famigerada lei é só comprar e pagar passando o cartão e a única opção que temos que fazer é se é débito ou crédito.

Os lojistas dizem que isso será bom para o consumidor que terá desconto quando pagar em espécie. Mas a solução é muito simples quem não concorda com as taxas das empresas de cartão de crédito e não vê vantagem em manter o sistema é só colocar uma placa “não aceitamos cartão”. O consumidor irá decidir se compra ali ou se vai para outra loja que aceite cartão. Não é necessário lei nenhuma.

Por medida de segurança eu não carrego talão de cheques e nem dinheiro e se vou comprar e a loja não aceita cartão de débito ou de crédito vou para outra loja, sempre tem uma que aceita.

No Brasil tudo é resolvido por lei, aqui no RS foi feita uma lei que obriga as lojas a pedirem a identidade antes de aceitar o cartão, que depois foi mudada para não pedir quando os cartões possuem chips.

Essa será mais uma lei para criar tumulto e depois não ser obedecida, pois os lojistas que cobrarem valores acrescidos de taxas serão rejeitados pelos consumidores.

O projeto de lei 213/2007 foi aprovado pelo Senado e segue para a Câmara analisar, tomara que lá seja rejeitada, coisa muita difícil de acontecer. As duas casas têm pensamento parecido, ou seja, sempre defendem os poderosos.



Se gostou do post subscreva nosso FEED.

8 comentários:

  1. amigo ses textos são maravilhoso. é difícil ver um blog subjetivo, tão bom assim. Olha, eu kibei seu texto, citei a fonte e espero que vc não se importe, abraço parceiro

    ResponderExcluir
  2. Na verdade é uma questão regulamentar.. que deve ser ficalizada... porque os preços do que se compra hoja já estão acrescidos, teoricamente, esta lei automatiza o desconto para que paga em dinheiro...
    o que representa vantagem para a população..
    "... Teoricamente..."

    ResponderExcluir
  3. É incrível como tanto a Câmara quanto o Senado só se preocupam com coisas que não são "pró" população. Aliás, defendo que o Senado seja extinto e teríamos apenas um Parlamento como acontece nos países mais desenvolvidos. Pra q tanto deputado, tanto senador? Só pra sugar nosso dinheiro.

    Abraços e parabéns por mais um belo artigo, Catarino.

    ResponderExcluir
  4. O cartão já é uma vantagem ao logista, pois evita de pegar dinheiro falsificado, ou cheque sem fundo. Por cartão de débito ou crédito ele terá a certeza que o dinheiro virá.
    A justificativa deles é irreal, o motivo é que eles querem ganhar mais ainda sobre os consumidores, já que é bem mais prático e rápido pagar por cartão.

    Eis mais um belo exemplo de para quem nossos queridos políticos trabalham.

    E eu, na minha inocencia, achava que eles trabalhavam pelo povo, para o povo.

    ResponderExcluir
  5. Catarino,muito oportuno o seu artigo,pois ainda á pouco estava em Campinas comprando uma peça,que custava R$65,00 para eu pagar com cartão,me assustei ao perguntar ao vendedor,quanto de desconto eu teria se pagasse em dinheiro,o preço caiu para R$57,00,paguei em dinheiro,esse artificio de cobrar á mais para pagamento com cartão já é usado á muito tempo.
    um grande abraço amigo.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Caratino, como vai?
    O problema é que não haverá desconto nas compras efetuadas à vista e em espécie. O que ocorrerá é um acréscimo, como você já falou, no valo das compras efetuadas com cartão. Logo, quando formos comprar com o cartão de crédito, estaremos pagando o valor normal.
    Como sempre, os legisladores estão fazendo isso em benefício próprio, pois muitos deles são empresários ou estão ligados à empresas.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Catarino,
    seu texto levanta uma questão séria, para o comércio (comerciantes e consumidores, todos no mesmo barco).
    Sou lojista e o problema do cartão existe. Só que o Senado, distante que é, de suas bases, em vez de ajudar, atrapalha. Os custos exorbitantes do cartão não tem que ser repassados para ninguém e, sim, reduzidos.
    Faz sentido, para cada cartão uma máquina, cujo custo mensal se aproxima de R$ 100, /mes cada? E o custo por cada faturamento, muitas vezes próximo dos 5%, especialmente para os pequenos lojistas, sem poder de barganha? E o custo por antecipação de fatura, tipo desconto de duplicatas, outros 5%? Estes abusos é que tem que ser reprimidos.
    Já um movimento para que seja apenas uma máquina para todos os cartões. Seria uma medida inteligente.
    Catarino, é por estas e outras que o ambiente de negócios, em nosso Brasil, é um dos piores do mundo (125 em 181 países). O ambiente é determinado por normas, regras e procemento, oriundos das leis, emanadas por nossos representantes. E os nossos representantes estão descolados de nossas necessidades, muitas vezes apenas voltados para suas próprias necessidades. Ou revertemos isto, ou serão mais 500 anos andando a reboque do mundo. Merecemos mais, mas para isto temos que nos conscientizar de nossa realidade. Blogar inconformismos é extremamente salutar, faz parte deste processo.
    Abraço forte, Edu
    Editor do Blog do Varejo

    ResponderExcluir
  8. Quanto mais se tem, mais se ganha.
    Ao que tem lhe será acrescentado, e ao que não tem, lhe será tirado.
    Essa é a realidade do Brasil.
    O comércio faz tantas "trambicagens" que chega a assustar, sinceramente, isso tudo é "maracutaia" para ganhar por detrás do panos, ou você acha que eles são meros profissionais do Governo???
    Eu mesmo aqui em Brasília, da empresa que estou deixando, é absurdo o lucro do meu Patrão, nunca vi nada igual, sinceramente.
    Isso comprova que a falta de fiscalização, não por profissionalismo, mas por interesse, junto com a corrupção, vai deteriorando nossos bolsos, e agente aqui, assistindo, discutindo e nada... nada de reação. Chega!!!!

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião, ela é muito importante para nosso trabalho.

Popular Posts