Lula Potter e o enigma do Príncipe.

By
Lula Potter e o enígma do Príncipe.

O texto abaixo foi escrito por Antonio Brás Constante e faz uma crítica aos acontecimentos políticos do Brasil comparando o presidente Lula com o Potter devido as mágicas que faz para contornar tanta falcatrua que acontece em Brasília.


Há algum tempo atrás escrevi o texto “Lula Potter e a reeleição de fogo” (disponível em: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc), onde um certo bruxinho brasileiro enfrentava mil perigos ao lado de seus aliados, em busca da reeleição. Resolvi pegar a mesma ideia e escrever um novo texto ainda falando sobre este mundo mágico com ares de reinado (já que a monarquia ainda resiste em alguns estados brasileiros), conhecido como política.


Lula e Potter têm muitas coisas em comum, por exemplo, ambos tiveram uma origem humilde, cercada de preconceito e perseguições contra eles. Potter tem milhões de leitores, Lula de eleitores. Harry usa diversos encantamentos para alcançar seus objetivos, Lula dispõe de vários programas (bolsa família, etc) para encantar a população (muito mais eficaz que qualquer poção do amor).


Nesta nova fase da história podemos perceber muitas mudanças nos personagens. Mudanças físicas (provenientes de plásticas e afins) e de comportamento. Lula passa a desempenhar um papel mais de Dumbledore, o mago supremo, e sua aliada Dilma Hermione, ganha o papel de Dilma Potter a escolhida (que também usa um par de óculos redondinho, se parecendo ainda mais com o famoso bruxinho). Enquanto isso, no jogo de quadrilhabol político, muitos aliados e adversários continuam caindo de suas vassouras.


O que chama a atenção de quem assiste a tudo que se desenrola tanto no cenário político quanto no filme do bruxinho, é que em meio a ataques mortíferos entre os oponentes, muitos trambiques e falcatruas acabam sendo descobertos, mas ninguém é pego ou termina preso. A propósito, quem precisa do manto da invisibilidade quando se tem o manto da impunidade a sua disposição?


Lula continua enfrentando as forças das trevas e, em muitos momentos, o seu envolvimento com essas forças é tão intenso que parece que ele passou realmente para o outro lado, ao menos é o que muitos sentem ao vê-lo defendendo certos cavalheiros (ou seriam Calheiros?), ou arrumando Sarneys para se coçar. Tudo bem que lá no fundo, bem lá no fundo (provavelmente no fundo monetário), mesmo os mais podres parecem ser pessoas de bem (ou seria de bens?), mas também ele não precisa ficar fazendo cafuné na cabeça e “gute-gute” nas bochechas deles, muito menos defendê-los.


Na dança entre mocinhos e vilões onde nunca sabemos se existem mesmo mocinhos, vemos agora um novo episódio acontecer: Lula Potter e o ato secreto. Neste filme, Lulinha não é o ator principal, mas defensor de um dos “Comensais da Morte”. Um comensal que anda envolvido em vários atos secretos e tenta se proteger dando a entender que apesar de todos nascermos iguais, uns ganham poderes especiais junto com o mandato de senador, não podendo mais ser tratados como meros “trouxas” (denominação utilizada para definir as pessoas comuns nos filmes de Harry Potter).


Nesta paródia onde a graça dá lugar a desgraça, nós vemos inúmeros eleitos se esbaldando no dinheiro público para viverem como príncipes, algo que para pessoas conscientes (com um mínimo de honestidade), seria entendido como roubo. Estes “príncipes” parecem não se importar em agir como ladrões, e assassinos (visto que muitas pessoas morrem pela falta de investimentos em áreas públicas, que são desviados por esses déspotas). O enigma está em se conseguir entender como esta falta generalizada de caráter toma conta tão facilmente dessas ilustres figuras.


O que acontecerá no desenrolar desta história não poderei contar, para não estragar a surpresa (e porque também não sei), mas a decisão final sempre cabe aos “trouxas” que tanto no filme como na vida real acabam sendo coadjuvantes anônimos que pagam caro para participarem deste filme. E quanto ao Lorde Voldemort? Bem, em um mundo repleto de crises econômicas, pandemias, guerras e tanta corrupção, quem precisa de um arquiinimigo?

abrasc@terra.com.br

Site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc


Faça seu comentário e apareça no rol dos comentadores.
Se gostou do post
subscreva nosso FEED.
Se for copiar cite a fonte www.blogdocatarino.com

9 comentários:

  1. Catarino,

    Postei em meu blog hoje, um artigo sobre Rui Barbosa, que largou o Senado por estar "enojado" com a politica da época, imagina hoje.

    Bom Artigo,

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Começou a votação para o Blog do Mês de Julho no Informação Virtual e o Blog do Catarino está concorrendo, por ter sido indicado como Blog da Semana.

    O resultado será dado no dia 06 de agosto.

    Divulgue bastante!

    Em Janeiro de 2010, todos os que foram escolhidos como Blog do Mês no Informação Virtual, até dezembro de 2009, estarão concorrendo a um "mimo".

    Boa sorte!!!

    ResponderExcluir
  3. SAUDAÇÕES!
    Amigo Catarino,
    Um Conto que retrata a trajetória de duas personalidades da política nacional.Os dois deram suas contribuíçoes, e ao que se vê, pelo menos é o que dizem, seus atos elegeram seus interesses acima da coisa pública. Assim,a metamorfose dos cidadãos em tela se tornam de difícil identificação, até para se saber quando estão dizendo a verdade.
    Parabéns pelo texto!
    LISON.

    ResponderExcluir
  4. Olha Catarino, para se elegerem nossos políticos fazem pactos até com o diabo. Depois dá nisso, quando algum deles está enrolado em maracutaia, outros tem que sair em defesa, aí ficamos sabendo quem é quem nesse Brasil.
    abração.

    ResponderExcluir
  5. Catarino Alves,

    É um prazer retornar a este endereço e agora deixar um comentário. A crônica de Antonio Brás Constante é simplesmente surpreendente. Talvez pela capacidade de fazer com que o espaço público invada o privado, que neste caso se refere exatamente as mentes "trouxas", citadas por ele.

    De fato, como competir com o assistencialismo que rege a política nacional por longos e ininterruptos anos? Como acreditar nas palavras de um senhor que de socialista "convicto" migrou e acobertou atos e adeptos do neoliberalismo? Deve ser a magia das telas nos cegando...

    Faço questão de divulgar este link no meu Twitter: http://twitter.com/lucasfalvarenga

    Abraços e parabéns por abrir espaço para análises lúcidas e criativas da política de nosso país.

    Lucas Fernandes.

    OBS.: gostaria de convidá-lo para que visite o blog Bastidores Revista Sem Fronteiras, um aperitivo do projeto jornalístico social que vem por aí. Desde já, obrigado.

    ResponderExcluir
  6. Catarino,
    Melhor não poderia ser. Mais original, lhe roubando o post, coisas que os políticos sabem fazê-lo muito bem. Pena que as histórias dos "bruxos" de hoje não termine com eles na fogueira. Imagine o problemaço que seria:
    1) ia faltar lenha;
    2) a lenha que fosse usada, agravaria o problema do efeito estufa;
    3) haveria mais fumaça do que fogo, pois político não se queima fácil, nós é que nos queimamos ao votarmos neles.

    Abraço do amigo,

    Antonio

    ResponderExcluir
  7. brigada pela visita no meu blog to te seguindo =D

    ResponderExcluir
  8. Eu acho o Harry Potter lamentável... O Lula é melhor eu não comentar!

    Bjs querido!

    ResponderExcluir
  9. Não assisti ao filme e não li nenhum livro do tal bruxinho (não gosto de fantasias), mas a respeito de nossa política, se fosse eu, faria como fez Rui Barbosa: voltaria para minha vida de "trouxa". Assim, ficaria longe de tanta lambança!!!

    Abraços

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião, ela é muito importante para nosso trabalho.

Popular Posts