Como evitar a tentação dos alimentos fáceis.

By
Como evitar a tentação dos alimentos fáceis.

Andando pelo Jardim do Eden, Adão e Eva avistavam constantemente a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal e seus tentadores, mas proibidos, frutos. Desta maneira, não foi difícil para a serpente induzi-los à transgressão.

Será que o mesmo aconteceria se a árvore estivesse a quilômetros de distância, exigindo do primeiro homem e da primeira mulher um longo deslocamento, quem sabe uma viagem? Talvez não.

Parafraseando a conhecida expressão, longe dos olhos, longe do estômago. Todo mundo sabe que um refrigerador cheio de coisas apetitosas não perde para fruto proibido algum em matéria de tentação. E o mesmo se pode dizer de um prato cheio. Expressão que, aliás, tem dois sentidos: de um lado significa fartura, abundância; de outro é um apelo à malícia, à safadeza.

Mas não só refrigeradores ou pratos se constituem em fonte de tentação, como mostra um recentíssimo estudo feito por pesquisadores da Universidade de Buffalo, Estados Unidos, abrangendo 172 mulheres e relacionando a massa corporal delas com o ambiente em que viviam.

Mulheres que moravam perto de restaurantes, de lanchonetes e de lojas de conveniência tinham massa corporal maior do que as mulheres que residiam em lugares próximos a “grocery stores”, as nossas populares fruteiras. O trabalho não é definitivo, porque os autores não foram adiante, pesquisando a relação dos hábitos alimentares daquelas pessoas com a frequência aos estabelecimentos mencionados. Mas não é difícil imaginar que o alimento de fruteiras seja mais saudável do que salgadinhos e guloseimas. Fica aí um tema para reflexão: precisamos pensar na maneira como nos aproximamos da comida. Isto condiciona o nosso jeito de comer.

Uma coisa que já começa na infância. Uma pesquisa realizada na Universidade de Cornell mostrou-o: crianças em idade pré-escolar cujos pais insistiam para que “limpassem o prato”, tinham a tendência a comer maiores porções não só de alimento, mas do chamado “junk food”, os antes mencionados salgadinhos e guloseimas, altamente calóricos. Conclusão: é importante tomar conhecimento do ambiente alimentar, seja em casa, seja nos lugares que frequentamos. Inclusive para que nos livremos da tentação calórica.


O texto acima foi escrito por Moacyr Scliar e publicado no caderno Vida do Jornal Zero Hora.


Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com
Conheça o SHOPPING DO CATARINO
Protected by Copyscape Online Plagiarism Check

2 comentários:

  1. Catarino, nunca imaginei que os pais que forçam os filhos a limparem o prato estivessem prejudicando ao inves de ajudar. Eu não obrigo meu filho ( que tem peso saudável) a limpar o prato quando não tem fome pq fizeram muito isso comigo e eu não gostava nada.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Sobre a "limpeza do prato" devo dizer que essa atitude provocou em mim problemas de ansiedade em relação a comida.
    Parece brincadeira mas posso afirmar que me trouxe muitas complicações.
    Ainda bem que a Vanessa também não obriga o filho dela né.
    Mais uma excelente postagem e super esclarecedora.
    Grande abraço Catarino.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião, ela é muito importante para nosso trabalho.

Popular Posts