Crônica. Onde mora a tristeza.

By
Crônica. Onde mora a tristeza.

“A tristeza durará para sempre”, foram as últimas palavras de Van Gogh. Auvers-sur-Oise é uma cidadezinha à beira do rio Oise, alguns quilômetros ao norte de Paris. Não chega a ser a France profonde. Com sua proximidade à capital, é mais um lugar para casas de campo e escapadas de fim de semana dos parisienses. Mas Auvers é importante.

Foi para lá que Vincent Van Gogh se mudou no fim da sua vida. Atormentado por problemas mentais, ele quis estar perto do Dr. Gachet, um médico da região que lhe fora recomentado pelo pintor Pissarro. (Um retrato do Dr. Gachet está entre as suas últimas obras, que também incluem uma pintura da igreja de Auvers). Mas, principalmente, Van Gogh foi para Auvers para estar mais perto do seu irmão Theo.

A relação entre Vincent e Theo Van Gogh é das mais ricas e, finalmente, pungentes da história da arte. Não apenas porque a ajuda financeira de Theo permitiu a Vincent – que em toda a sua vida só vendeu um quadro – dedicar-se à pintura, mas porque tudo que se sabe sobre os pensamentos e os sentimentos de Van Gogh está nas suas cartas para o irmão mais velho, seu confidente e conselheiro.

Sem Theo não haveria Vincent. Quando decidiu ir viver em Auvers, Van Gogh talvez estivesse inconscientemente se aproximando do irmão para morrer perto dele. No dia 27 de julho de 1890, Van Gogh se deu um tiro no peito. Morreu dois dias depois nos braços de Theo. Suas últimas palavras foram “La tristesse durer a toujours”. A tristeza durará para sempre.

Há dias fomos ao cemitério de Auvers-sur-Oise onde estão enterrados Vincent e Theo, que morreu alguns meses depois do irmão. O cemitério fica numa colina em meio a um trigal. O trigo estava verde. Van Gogh poderia transformá-lo em amarelo, e acrescentar alguns redemoinhos ao azul daquele céu de primavera, mas o dia era irretocável.

Os dois irmãos estão enterrados lado a lado. Sepulturas simples, com um quadrilátero de plantas na frente. As duas lápides são absolutamente iguais. Os nomes, as datas de nascimento e morte, e só. Com um pouco de imaginação você concluiria que, na morte como na vida, Theo estivesse ali para proteger seu desafortunado irmão. Mas nada nas lápides os diferencia. E Van Gogh tinha razão. A tristeza o perdurava. A tristeza durará para sempre.

Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Fonte: Zero Hora. Crônica de Luis Fernando Veríssimo.
Conheça o SHOPPING DO CATARINO
Cópias não permitidas - www.palavras.blog.br
Protected by Copyscape Online Plagiarism Check

Um comentário:

Deixe sua opinião, ela é muito importante para nosso trabalho.

Popular Posts