Palavras de humor. Quem entende o Pato Donald?

By
Palavras de humor. Quem entende o Pato Donald?

Casal preparando-se para sair. Ela uns 40 e poucos anos, ele 50.

Ela pede:

– Me fecha atrás?
Ele:

– Ahn?

– O vestido, Sérgio. Fecha o vestido.

– Ah.

Ele tenta fechar o vestido dela atrás, mas não consegue. Em 25 anos de vida conjugal, é a primeira vez que tem dificuldade em fechar o vestido dela atrás.

– O que foi, Sérgio?

– Calma, Dulce. Preciso me concentrar.

Ele finalmente consegue fechar o vestido.

– Pronto. Dever cumprido.

– O que você tem, Sérgio?

– Por quê?

– Parece distraído. E ainda não terminou de se vestir. Nós vamos chegar tarde no jantar.

Ele senta-se na cama.

– Dulce, eu vou confessar uma coisa.

Dulce olha para o marido com surpresa. Uma confissão? Que confissão? Uma amante? Um problema na firma? Estamos arruinados? O quê?

~

– O quê, Sérgio?

– Eu nunca entendi o que o Pato Donald dizia.

Dulce controla a vontade de bater no marido.

– Que loucura é essa, Sérgio?

– Passei toda a minha infância fingindo que entendia, mas não entendia. Você entendia?

– Por que isto agora, Sérgio? Você está muito estranho.

– Eu ria, mas não entendia. Era um riso falso.

– Sérgio, por amor de Deus. Vamos parar com essa loucura e acabar de nos vestir. Já estamos atrasados e você nem...

– Eu não devia ser o único. Muito mais gente não entendia o Pato Donald. Podíamos até nos reunir. Os que não entendiam o que o Pato Donald dizia. Talvez formar uma associação...

~

Dulce senta-se na cama ao lado do marido. Sente que o que está em jogo é seu casamento. São 25 anos de vida conjugal ameaçados por aquela súbita loucura do marido. Decide apelar para a razão. Enfrentar a estranheza com uma boa conversa. Nada como uma boa conversa para se encontrar a solução de qualquer coisa, mesmo a insanidade. Ou adiá-la.

– Eu compreendo, Sérgio. É a idade, não é? Você não está sabendo lidar com os 50 anos. Parece que existe até um nome para isso, a depressão do meio século, alguma coisa assim. Para mim também não foi fácil passar dos 40. Podemos conversar sobre isso depois. Mas no momento o mais importante é não chegar atrasados no jantar. Vamos nos vestir e...

– Eu fico pensando no que o Pato Donald dizia, com aquela sua dicção incompreensível. Em tudo que eu perdi...

Dulce levanta-se, impaciente.

– Ora faça-me um favor, Sérgio! Você não perdeu nada. O que o Pato Donald teria de importante para dizer? Que valesse a pena? Que fosse fazer alguma diferença na sua vida?

– Não sei. Não sei. Quem sabe eu não seria outro homem, hoje, se entendesse o que o Pato Donald dizia?

~

Durante o jantar, Dulce fica cuidando Sérgio. Vê que ele quase não fala com as pessoas ao seu redor. É o stress, pensa. A crise. A angústia dos 50 anos. Da conversa dele com uma mulher sentada ao seu lado ela só capta uma frase solta, dita pela mulher:

– Sabe que eu também não?

Mas a mulher também o olha com estranheza. E Sérgio retorna ao seu silêncio, com o olhar parado. No carro, voltando para casa, Dulce sugere que Sérgio procure alguém para conversar. Quem sabe o Dr. Maurício, o amigo psiquiatra? Sérgio concorda, entusiasmado.

– O Dr. Maurício. Sim, sim. Ele certamente também não entendia o que o Pato Donald dizia. Deve conhecer outras pessoas que não entendiam. Podemos começar a associação!

~

Dulce suspira. Decide que terá que aprender a conviver com a loucura do marido. Talvez seja passageira e não interfira na vida econômica do casal. Preocupante mesmo, pensa ela, é a inédita dificuldade dele em fechar seu vestido atrás. Aquilo sim poderia afetar a relação.


Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Artigo escrito por Luis Fernando Veríssimo
Conheça o SHOPPING DO CATARINO
Cópias não permitidas - www.palavras.blog.br
Protected by Copyscape Online Plagiarism Check

Um comentário:

Deixe sua opinião, ela é muito importante para nosso trabalho.

Popular Posts