Um presente musical para uma criança no Natal.

By
Um presente musical para uma criança no Natal

Sentei-me em silêncio no banco de trás enquanto regressávamos a casa de uma cerimonia vespertina da igreja onde tinha ouvido, mais uma vez, a maravilhosa história do nascimento de Jesus. E o meu coração transbordava de alegria enquanto nós os três entoávamos conhecidas canções de Natal vindas do rádio do carro.

Com o nariz esborrachado contra o vidro do carro, não conseguia tirar os olhos das decorações dos grandes hipermercados. À medida que passávamos pelas casas com árvores de Natal iluminadas nas janelas, imaginava as prendas amontoadas debaixo delas. A alegria própria da quadra estava por todo o lado.

A minha felicidade durou apenas até chegarmos à estrada empedrada que levava à nossa casa. O meu pai virou para o escuro caminho rural onde a casa se erguia há duzentos anos. Não havia luzes de boas-vindas a saudar-nos; não havia árvore de Natal a brilhar na janela. E a tristeza tomou conta do meu coraçãozinho de nove anos.

Tal como as outras crianças, eu não podia deixar de desejar árvores e prendas. Mas estávamos no ano de 1939, e eu tinha sido ensinada a ser grata pelas roupas que me cobriam e os sapatos que me calçavam, em ser grata por ter casa — mesmo que muito humilde — e por comida simples para a minha pequena barriga. Já tinha ouvido, mais que uma vez, os meus familiares dizerem "as árvores de Natal são um desperdício de dinheiro." E eu supunha que os presentes também deviam ser.

Embora os meus pais tivessem já deixado o carro e entrado em casa, eu mantive-me lá por fora e deixei-me cair sobre os degraus do alpendre — receando perder toda a alegria própria da quadra festiva que tinha sentido na cidade, e desejando que o Natal estivesse também em minha casa. Quando, por fim, o frio da noite trespassou o meu vestido e a casaco de malha, estremeci e embrulhei os braços em torno de mim mesma, como num abraço. Nem mesmo as lágrimas quentes que me caíam em catadupa pela face abaixo me conseguiam aquecer.

E foi então que ouvi. Música. E cânticos.

Ouvi e olhei para as estrelas que se amontoavam no céu, brilhando mais intensamente que nunca. Os cânticos rodearam-me, animando-me. Algum tempo depois, dirigi-me para dentro de casa para ouvir rádio, pois aí estaria mais quente. Mas a sala de estar estava envolta em escuridão e silêncio. Que estranho! Regressei lá fora e ouvi de novo os cânticos. De onde é que aquilo vinha? Talvez do rádio do vizinho? Percorri a pé a estrada comprida, com aquela música gloriosa a acompanhar-me durante todo o percurso. Mas o carro do vizinho nem estava ali, e a casa deles estava tranquila. Até mesmo a árvore de Natal deles estava às escuras.

A música gloriosa, contudo, ouvia-se mais alta do que nunca, seguindo-me e ecoando à minha volta. Poderia vir da casa do outro vizinho? Mesmo à distância, eu conseguia ver que também não estava lá ninguém. Ainda assim, percorri os quase trezentos metros que separavam a casa deles da nossa. Mas não havia nada, nem ninguém. No entanto, os cânticos continuavam, cristalinos e puros. Ouvia-os distintamente. E as estrelas, naquela noite, brilhavam com tanto esplendor que eu nem sentia medo de voltar para casa sozinha.

Uma vez chegada à casa, sentei-me de novo nos degraus do alpendre e refleti sobre este milagre. Pois era um milagre. Porque eu sentia, no meu coração, que estava a ouvir uma serenata dos anjos.

Já não sentia frio ou tristeza. Agora sentia-me quente e feliz, por dentro e por fora. Enquanto olhava lá para cima, para aquela infinitude, rodeada pelos louvores dos anfitriões celestes, eu soube que tinha recebido afinal uma linda prenda de Natal – uma prenda vinda diretamente de Deus.

A prenda do amor. A estrela brilhante.
E um Natal eterno.


Se gostou do post subscreva nosso FEED.
Fonte: Clube das Histórias. Margaret Middleton
Cópias não permitidas www.blogdocatarino.com

2 comentários:

  1. muito lindo... valeu muito a pena ler...

    ResponderExcluir
  2. Melissa
    Que bom que gostou, agradeço sua participação.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião, ela é muito importante para nosso trabalho.

Popular Posts